19/04/2017

Requalificação do Espaço Público da Zona Poente da Frente Ribeirinha da Baixa Pombalina [Cais do Sodré e Corpo Santo]

Investimento Total: 3.338.820,01
Investimento Elegível: 3.230.164,00
Cofinanciamento FEDER: 1.615.082,00



Enquadramento do projeto:

 

Este projeto surge como resposta à carência de espaços verdes e de lazer na baixa pombalina e à necessidade de melhorar as infraestruturas urbanas de mobilidade contribuindo para uma mobilidade mais sustentável e suave. A intervenção no Cais do Sodré irá dar sequência aos trabalhos de requalificação já concluídos da Praça do Comércio/Ribeira das Naus, pelo que encerra uma elevada aptidão para contribuir para a afirmação da Cidade enquanto destino turístico que congregue as dimensões patrimoniais, culturais e ambientais, capitalizando o potencial da Frente Ribeirinha. Concretamente, pretende-se com esta obra valorizar os espaços singulares do Largo da Igreja do Corpo Santo, da Praça do Duque da Terceira e do Jardim Roque Gameiro, frente à estação dos comboios, tendo em conta que estes espaços integram um dos maiores interfaces de transportes de Lisboa, combinando comboio, barco, metro, autocarro e elétrico. Pretende-se ainda reativar o elétrico 24, que fará a ligação de Campolide até ao Cais do Sodré. Estes trabalhos visam melhorar a mobilidade pedonal, com a ampliação dos atuais passeios, a construção de novas zonas de estar e de encontro multigeracional, bem como a introdução de novas zonas de estadia e lazer. Será essencialmente um espaço de usufruto das pessoas com ligação ao rio. As áreas ajardinadas e de arborização serão ampliadas e o mobiliário urbano renovado.

 

Objetivos do projeto:

- A requalificação do espaço dedicado à mobilidade pedonal, reforçando verdadeiramente locais de passeio público, aumentando as áreas dos mesmos e a sua implementação global, criando as condições de segurança e conforto das zonas de estadia de peões, assim reiterando a necessidade de criação de espaços de lazer e recreio;

- Aumento significativo das áreas de passeio atualmente existentes, respeitando sempre a legislação em vigor;

- Adaptar um traçado aos fluxos de circulação pedonal previsíveis na placa central do JARDIM Roque Gameiro;

- Aumentar as condições gerais de segurança e conforto dos espaços de circulação pedonal e estadia, através de um novo esquema de iluminação pública, ou da previsão de novos alinhamentos arbóreos nos diferentes espaços que integram a área de intervenção;

- Integrar um novo corredor de circulação de bicicletas, claramente delimitado e sinalizado, que permita a ligação do atual circuito existente na Rua da Cintura do Porto de Lisboa à frente ribeirinha das Agências Europeias, a nascente da área de intervenção; 

- A reorganização e requalificação do interface do Cais do Sodré (transportes públicos), estabelecendo condições para o cabal funcionamento do interface de transporte, que agrega todos os modos de transporte da cidade e os meios suaves.

- Redefinir o esquema de circulação rodoviária, por intermédio do prolongamento do corredor de transportes públicos, permitindo ligar a Avenida 24 de Julho à Rua do Arsenal;

- Redefinir e reduzir os lugares de estacionamento que aí se encontram de forma abusiva existentes,

- Revitalizar a mobilidade elétrica desta zona da cidade com a recuperação da linha de elétrico, em conjugação com a CARRIS;

 


Resumo:

 

Esta intervenção enquadra-se num conjunto de alterações que a CML vem promovendo com o objetivo de proporcionar condições de utilização pública dos espaços da frente ribeirinha. Implica uma profunda alteração no sistema de circulação desta zona, através do reordenamento da circulação rodoviária, da valorização do sistema de transportes públicos e da preferência dada aos modos suaves com relevância para a circulação e uso pedonal do espaço público

 

 

Resultados do projeto: 

O projeto irá permitir uma intervenção em 26.677 m2 de malha urbana. Esta intervenção não se limita a reabilitar. Nos 26 mil mintervencionados será revista a utilização dedicada do espaço púbico. Por exemplo, o espaço público exclusivamente dedicado ao transporte público mais que duplicará, num incremento de 3.325 m2, e verificar-se-á a redução do espaço dedicado a estacionamento em 3.675 m2. Toda esta revisão da afetação do espaço público permitirá criar 6.912 mde espaço aberto para a mobilidade pedonal e clicável. Esta realocação do espaço público com redução significativa do espaço dedicado ao transporte individual deverá ter impactos muito significativos também na melhoria da qualidade do ar e na redução do ruido. 

 

Esta criação de espaço aberto terá um forte impacto  principalmente nas ruas adjacentes ao Cais do Sodré e Corpo Santo, melhorando muito significativamente as condições de acesso àquela área comercial que desde o início desta intervenção tem já registado uma procura significativa. A mesma lógica se aplica ao mercado de arrendamento residencial, desde o início da intervenção o mercado de reabilitação urbana tem registado forte progresso em toda aquela região, confirmada pelo aumento do preço m2 e pelo aumento de pedidos de reabilitação juntos dos serviços da CML.

Da mesma forma, podemos notar que os investimentos captados para os edifícios atualmente entregues à Agência Europeia de Segurança Marítima e ao Observatório Europeu da Droga confirmam a importância daquele espaço no âmbito da cidade e da AML, fazendo prever que a reabilitação desta área exponenciará a sua natural capacidade de captação e retenção de investimento.